Roberto Piva in da house

Piva escrevendo um poema. Ou uma receita de bolo. Poeta também é gente, caramba.

Este é um post breve, apenas para redirecionar os meus preciosíssimos 9,45 leitores (incluindo a libanesa, a japonesa e o sullustano) para o link de um texto meu sobre Roberto Piva – meu poeta brasileiro favorito e responsável pelo meu título tããão importante de Mestre em Teoria da Literatura – que foi publicado esta semana no site do Café Colombo:

http://www.cafecolombo.com.br/2010/02/01/diagnostico-roberto-piva/

Para quem não soube, nessas semanas que se passaram, Roberto Piva andou bem doente, devido a complicações com seu Mal de Parkinson. E não, não farei piadas do tipo “esse alemão que gosta de agitar a gente mais que trio elétrico da Ivete Sangalo” por que o assunto é sério e não estou lá muito bem-humorado esses dias.

Apenas saibam que é muito lamentável ver que um escritor da magnitude desse senhor está aí, fraco e sem condições financeiras, mesmo com sua obra reunida tendo sido publicada muito recentemente, dependente da ajuda de amigos e admiradores. Não que eu esteja pregando que ele mereceria um atendimento vip e exclusivo através de burlos no sistema de saúde (confiram o site de Wellington de Melo para uma crítica pontual a esse privilegismo, aí entre os meus links): reclamo sim que o estado, o mercado e a puta-que-pariu não sejam capazes de respeitar os seus artistas – não que um artista deva ser considerado acima do cidadão comum, mas é triste saber que sua condição é a de viver com um pires na mão. Quando a profissão de escritor será considerada válida, a um ponto em que ele mereça direitos e proventos oriundos do suor de seu rosto (sim, porque literatura ainda é uns 90% transpiração), e não ser alienado dentro de um sistema de molas e rodas dentadas capitalistas e burocráticas de editoras e instituições culturais e etcétera? Um pouco de dignidade à classe faz bem à vista e ao coração.

Bem, leiam lá o textinho. Espero que os admiradores gostem de minhas mal-traçadas linhas, e que os que não conheçam Roberto Piva sintam despertar o interesse em lê-lo mais e mais. Eu, assumindo a responsabilidade que cabe à minha profissão de fé e meu diploma (é, senhor crítico, sua responsabilidade é essa, e não a de alimentar seu eguinho com Sucrilhos), me coloco a disposição de quem quiser se embrenhar na poesia de Piva. Basta me escrever, com açúcar e afeto. “Nada vos oferto/ a não ser essas mortes de que me alimento” (isso é Ferreira Gullar, necessário se faz dizer).

E, como um bônus ao texto pro Café Colombo, incluo aqui o trecho final de “Meteoros”, que deveria ter saído e não saiu. Tudo bem, cena excluída é legal pra fazer uma “Versão do Diretor” – O Harrison Ford se descobre um Replicante, Galadriel dá seus presentes, Hollis Mason é assassinado e nós lemos “Meteoro”, de Piva. Olho no lanceee!

(…)

Eu apertava uma árvore contra meu peito

Como se fosse um anjo

Meus amores começam crescer

Passam cadillacs sem sangue os helicópteros

Mugem

Minha alma minha canção bolsos abertos

Da minha mente

Eu sou uma alucinação na ponta de teus olhos.

(Roberto Piva, “Meteoro”, in Paranóia)

Meus agradecimentos a Renata Santana e à equipe do Café Colombo. Acessem o site na barra de links ao lado. Se escarafuncharem um pouco, talvez achem uma entrevista comigo e Artur Rogério, pro Rádio. Mais, não digo. Tomem mais Piva aí e extasiem!

http://www.youtube.com/watch?v=P2Lhaedkh48

Foto: Rita Alves, projeto “Autor na Praça”, site Overmundo

Anúncios

9 respostas para Roberto Piva in da house

  1. Biagio disse:

    Toca-me profundamente a poesia de Piva, o que essa “metralhadora em estado de graça” fuzila em minha testa. Tenho certeza que os demônios, nos porões do Inferno, tratariam melhor o poeta que nós, Estado e Sociedade Civil, o tratamos aqui na Terra. Deus abençoe o orgônico Espirito de Piva, Shiva, nosso Xamã.

    bi.

  2. Artur Malheiros disse:

    Bem, se eu valho 0,55, então tu tens 10 leitores, meu caro Bruno. Doeu-me este texto, de tão bom. Abraços.

  3. Como eu disse lá no meu blog: vamos com calma, não é bem assim! bjs

  4. Bruno Piffardini disse:

    De fato, a situação do homem foi tão magnificada por aí afora, e o acesso a informação tão precário, que acabamos todos sequestrados. Não é a primeira vez, e nem será a última em que pegarão um fato e o tornarão um carro de batalha (e a situação do Piva não é a primeira que vejo). Bom, tantos outros são sequer lembrados…

  5. Bruno, sorry, mas dessa vez a culpa não foi da imprensa polemista. Aliás, a imprensa paulista se limitou a dar pequenas notas sobre o assunto, após checar (muito brevemente, por sinal) a situação do Piva junto à assessoria de imprensa do HC.

    O alarde aconteceu na internet e partiu do blog do poeta paulista Ademir Assunção, que NÃO havia visitado Piva no HC, mas fora encorajado pelo poeta Celso de Alencar a fazer uma “mobilização” para tirar Piva do suposto “inferno dantesco” em que se encontrava. A partir daí, em Facebook, Twitter, Orkut e blogs, começou o alarde (rodeado por hipocrisias muito bem colocadas no texto do Wellington).

    Infelizmente, 200% dos textos que captei tanto em blogs “isentos” (sic) quanto nos jornais e revistas de todo o país se basearam única e exclusivamente no texto do blog do Ademir Assunção. E claro: sempre aumentando um ponto ao contar o conto, como de praxe.

    Preguiça e incompetência, sobretudo dos veículos do norte e nordeste, que sequer apuraram a fundo e caíram como idiotas na simples reprodução do que rolou no blog do Ademir. Nisso concordo contigo. Mas piores ainda são os donos de blogs “isentos” (sic, again)que além de não terem apurado nada, não se retrataram sobre eventuais hipérboles e informações imprecisas.

    bjs

  6. ps: Acredito realmente que a intenção de Pinduca e Celso tenha sido de ajudar o Piva. De forma alguma os recrimino. Mas que alardeou e deu margem pra tudo que é distorção, isso sim. A partir dali, apenas multiplicaram-se os alardes.

    • Bruno Piffardini disse:

      É o velho problema das províncias. A falta de notícias nos faz cair em palpos de aranha. Ainda assim é bom saber que a internet serve pra isso, desenvolver opiniões a respeito e a troca de informações. Tenho certeza que essa nossa troca de informação, minha, sua e de Wellington, está servindo, de um jeito ou de outro, para nos informarmos do que quer que saia maquiado ou mascarado por aí. E é um papel bom de se realizar.

  7. Gerusa Leal disse:

    Muito bom o texto no Café. Tiro meu chapéu à originalidade e inovação da poesia de Piva. São rasteiras estéticas que nos jogam de bunda no chão pra aprender o que é poesia.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: